Bright Star - John Keats

Bright star, would I were stedfast as thou art-
Not in lone splendour hung aloft the night
And watching, with eternal lids apart,
Like nature's patient, sleepless Eremite,
The moving waters at their priestlike task
Of pure ablution round earth's human shores,
Or gazing on the new soft-fallen mask
Of snow upon the mountains and the moors-
-No--yet still stedfast, still unchangeable,
Pillow'd upon my fair love's ripening breast,
To feel for ever its soft fall and swell,
Awake for ever in a sweet unrest,
Still, still to hear her tender-taken breath,
And so live ever--or else swoon to death.


O filme "O Brilho de uma Paixão" (ou "Bright Star", no original) é um daqueles que te faz acreditar de novo no romance, mesmo quando sua fé nele está em baixa. Conta-nos a história de amor entre o poeta John Keats e Fanny Brawne que lá pelo século 19 era o que a gente chama hoje de estilista.


No início, a história dos dois me lembrou muito a de "Orgulho e Preconceito", com Fanny provocando John com seu humor inteligente e este sendo um pouco anti-social, pois tinha um irmão doente que lhe preocupava muito. Só que a situação ecônomica era diferente: John Keats, além ter vivido de verdade, tinha bem menos dinheiro nos bancos ingleses do que o Mr Darcy.


Mas o que importa mesmo é a poesia. E os vestidos estilosos da Fanny. E o romance, é claro. Acho que se você não é uma pessoa romântica, não vai gostar nada desse filme. E além disso, é um romance no século 19, então não espere cenas muito "efusivas" e nem ação e carros derrapando pelas ruas da Inglaterra, porque na verdade eram carruagens e o ritmo desse tipo de filme geralmente é diferente mesmo. Isso não faz com que o filme deixe de ser ótimo.

0 comentários:

Postar um comentário

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres