Título Nacional: Na Natureza Selvagem
Autor: Jon Krakauer
Ano de Lançamento: 1998
Número de páginas: 214
Editora: Companhia das Letras
Título Original:Into the Wild

Na Natureza Selvagem foi um dos poucos livros que li depois de assistir o filme baseado na obra, sempre faço o contrário. Lembro que um professor passou a versão cinematográfica da história de Chris McCandless na aula de ética e foi amor à primeira vista. A determinação daquele jovem desapegado de bens materiais mexeu comigo.

Chris é um pobre garoto rico que discorda do estilo de vida hipócrita que a família e todo resto do universo leva. Até aí tudo bem, o que não falta são pessoas underground que gritam os problemas da sociedade sem mexer um músculo para mudar qualquer coisa.

É por isso que essa é uma história que vale a pena ser lida e propagada. Cansado das mentiras que o rodeavam, ele fez a mala e resolveu viajar para o Alasca, em busca da verdade. Verdade com V maiúsculo. Com todo o exagero típico dele - palavras da irmã mais nova - ele doou a poupança, queimou documentos e dinheiro. Sumiu no mundo.

Falando assim parece tolice o que ele fez, e pode acreditar que muitas pessoas defendem isso. Ainda mais quando levado em conta o fim trágico dessa aventura. O corpo do Chris McCandless foi encontrado, em estado de decomposição, num ônibus no meio do Alasca. Legistas declararam que ele morreu de fome. Os resto tinham apenas 40 e poucos quilos. Aparentemente, a falta de mapa e conhecimento do local o impediu de cruzar o rio que o levaria de volta a civilização.

Triste, não? Mas algumas pessoas buscam uma vida inteira por algo que não têm idéia do que pode ser, a história desse cara é diferente porque ele descobriu o que queria e foi atrás, sem se preocupar com os riscos. Eu gosto de pensar que ele morreu realizado, feliz.

Para quem viu o filme, a maior diferença é o modo como a relação dele com os pais é abordada. O relacionamento recebe mais atenção e áreas cinzas, perdem um pouco o preto no branco que é mostrado no filme. E as histórias do jornalista Jon Krakauer cansam um pouco a leitura, mas não deixam de ser interessantes.

Contando assim por cima, pode parecer que ele morreu de burrice por se meter em algo que desconhecia. Porém, do meu ponto de vista ele é um exemplo de coragem, não, não invente de ir para o Alasca um jovem idealista e fiel aos seus princípios. Que mesmo não acreditando em relacionamentos de qualquer espécie, principalmente nessa coisa chamada familia, marcou as pessoas que encontrou durante essa jornada. Nos depoimentos dados para elaborar o livro, o que eles sentiam pelo Chris parecia bastante com amor.

0 comentários:

Postar um comentário

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres