Será que o amor verdadeiro realmente existe?

Para a sensível Sophia (Amanda Seyfried) ele é uma realidade, só um pouquinho distante dela. Ela trabalha para o The New Yorker checando fatos para matérias, mas seu verdadeiro sonho é escrever. Noiva de um chef ela se vê sempre deixada de lado por um bom copo de vinho ou pedaço de queijo.

Para passarem mais tempo juntos os dois decidem ir numa viagem de "pré lua de mel" em Verona. Mas ao chegar lá, Sophia percebe que tudo era uma desculpa para seu noivo poder se encontrar com fornecedores italianos para seu novo restaurante.

E numa da tarde em que foi deixada sozinha para conhecer a cidade, ela visita a Casa de Julieta, onde mulheres de todo o mundo vão lá para deixarem cartas pedindo ajuda amorosa a Julieta.E lá conhece as "secretárias de Julieta", mulheres que se responsabilizam por responder a todas as cartas diariamente.

Eis que Sophia encontra uma que foi escrita a 50 anos atrás e resolve responde-la, já que, segundo ela, se um amor é verdadeiro, continua sendo mesmo tantos anos depois. E não é que Claire, a adolescente que escreveu a carta, agora uma senhora, resolve ir até Verona para procurar por seu amor, Lorenzo, há muito tempo perdido?

Mas ela não vai sozinha, a tiracolo leva o neto Charlie (Christopher Egan). Todo loiro, lindo, britânico e cético, o jovem não aprova o que a avó foi fazer ali, acha tudo uma perda de tempo. A sonhadora e apaixonada Sophia decide os acompanhar na procura, para assim ter uma história para poder lançá-la na carreira de escritora.

E a partir desse momento, o filme passa a ser um road movie, com vários lugares diferentes de Siena, hotéis e músicas italianas no som do carro. E o noivo de Sophia? Está num leilão de vinhos em algum lugar da Itália, nem um pouco preocupado com a noiva. E será que é tão difícil saber o que vai acontecer entre Sophia e o neto de Claire?

A parte do amor de Claire ter sobrevivido após cinquenta anos, mesmo depois que os dois tenham vivido vidas separadas é bonita. Mas a parte do previsível romance entre Sophia e Charlie não convence. Apesar de tudo, fica difícil aceitar que os dois , tão avessos no começo da história, passem a ser almas gêmeas ao final de uma semana. Um filme bonitinho para um sábado a noite, mas só isso.

0 comentários:

Postar um comentário

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres