Antes de assistir esse filme é preciso ter algumas coisas em mente, como por exemplo, que nesse caso em especial o amor é consequência do sexo, e não o contrário. Também é necessário estar preparado para ver bastante, tipo muito mesmo, os seios da Anne Hathaway e a bunda do Jake Gyllenhaal, pois são várias cenas de sexo sem pudor, mas não de maneira chocante. Eu diria até que flui de maneira natural, são sequencias necessárias e que dão sentindo a produção, não fica forçado ou constragedor. Por isso, se eu pudesse, mudaria o nome do filme para Sexo e outras drogas.

Ah, sem esquecer que se trata de uma comédia romântica com pitadas de drama. O bom e velho mais do mesmo. O que salva Amor e Outras Drogas é a química entre os atores principais. Jake exala sensualidade no papel de vendedor, sério, até eu compraria Viagra desse cara. E a Anne parece muito a vontade como a moça independente que deseja viver em paz com o Parkinson dela.

Pois bem, são os anos 90 e, o bom de lábia, Jamie Randall (Jake) acaba de ser demitido de uma loja de eletrodomésticos por pegar a mulher do patrão. O jeito é virar representante da empresa famacêutica Pfizer para não morrer de fome. Depois de um cursinho, também conhecido como lavagem cerebral, ele começa a ir de consultório em consultório e descobre o quanto é díficil fazer com que médicos receitem o remédios da Pfizer, já que os outros representantes parecem ter muito mais recursos. A sorte dele só muda com o lançamento do Viagra.

O que importa é que numa dessas tentativas frustradas, ele conhece a desinibida Maggie Murdock (Hathaway) que não quer saber de compromisso, só está interessada em sexo casual. Depois de algum tempo, eles se apaixonam e ele é o primeiro a admitir. Pronto, os dois se transformam num casal cativante e divertido.

O problema é quando o relacionamento se volta para a doença degenerativa dela, aí a narrativa perde a força. A partir desse ponto o filme perde um pouco a graça, ainda mais porque tem um final bastante clichê. E já que comecei a falar mal, acho que outra falha é a falta de objetos ou referencias a década de 90, se você tirar os pagers e os celulares Star Tac, voltamos para o presente.

Reclamações a parte, se você gosta de comédias românticas, Amor e Outras Drogas é uma ótima pedida.

Um comentário:

  1. Eu li sua resenha e fiquei com vontade de ver esse filme. Antes não estava, mas agora fiquei e vou ver se encontro pela net. :O
    hahahahaha
    Eu já sabia q ia ser um pouco dramático, pq tinha ouvido falar por aí sobre o problema da personagem de Anne e talz. Mas pelo q vi, essas partes não são legais. Bom, eu acho q vou gostar pq adoro um drama. XD
    E sobre essas falhas de característica dos anos 90... tics tics tics Vejo isso com tanta frequência em alguns filmes. Fazer o q :/
    Bjsss Adoro seus comentários sobre os filmes. Agora sempre q eu quiser ver um filme vou ver aqui no blog se você comentou sobre ele XD
    bjsss

    ResponderExcluir

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres