"A vida é difícil quando você não sabe quem você é. É ainda mais, quando você não sabe o que é". Essa frase da abertura de Lost Girl define bem o que a personagem principal Bo sofre. Ela possui... certos "poderes". Ela tem uma necessidade de se alimentar da energia das pessoas como a Vampira dos X-Men. Só que nunca foi capaz de controlar essa "fome", e o infeliz escolhido acaba sempre morrendo. Até que, para salvar Kenzi (a Tasha de Life Unexpected), ela acaba sendo descoberta.

O que ela descobre é que ela faz parte de uma raça de seres mitológicas chamados de Fae. E que eles se dividem em dois clãs: o da Luz e o da Escuridão. E mesmo sem saber nada sobre esse novo mundo ela é intimada a escolher um dos lados. O problema é que ela decide não pertencer a nenhum. Ainda por cima, Bo quer encontrar seus pais verdadeiros e saber o porquê de ter sido abandonada sem saber sobre sua origem. Além de Kenzi, que vira sua melhor amiga, ainda tem o bonito/feio Dyson, um policial Fae que a ajuda a equilibrar o mundo humano com o Fae, a salva nas horas vagas e de alguma forma é o seu par romântico.

A história da série é bem interessante e diferente da maioria. Ela peca um pouco na maquiagem e efeitos especiais que são bem fraquinhos. Algumas linhas do roteiro também não fazem muito sentido e explicações básicas, como a origem dos Fae, ficam de fora.

Lost Girl é uma série do canal canadense ShowCase. Aqui no Brasil, só baixando mesmo. A primeira temporada já acabou e teve 13 episódios.

Um comentário:

  1. Olá!

    Ah, gostei por ser diferente, portanto assistirei à série e assim que terminar voltarei para compartilhar as sensações.

    Abraços e sucesso!

    ResponderExcluir

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres