Título Nacional: Ninguém Como Você
Autor:  Lauren Strasnick
Ano de lançamento: 2010
Número de páginas: 235
Editora: iD
Título Original: Nothing like You

Eu vi o Ninguém como Você na livraria e fiquei cismada. Não ia sossegar enquanto não tivesse o meu exemplar. Quando a caixa com ele chegou pelo correio, comecei a leitura imediatamente. E só larguei o livro quando cheguei ao fim.

Holly perdeu a mãe há seis meses. Apesar da confusão mental/emocional/física por causa disso e do pai vagando sem rumo pela vida, as coisas continuam da mesma forma na casa dela. Ela poderia jurar que a mãe está passeando com o cachorro e logo mais vai voltar.

Assistir a mãe batalhando contra o câncer mexeu muito com ela e Holly não consegue evitar, está sempre procurando por algum caroço no seio e tentando descobrir onde a mãe dela foi parar, se a mãe está decepcionada, como a mãe era quando adolescente, se a mãe foi amada... A preocupação com a mãe é uma constante na vida inconstante dela.

Como se o luto  não fosse suficientemente difícil de lidar, ela acaba de perder a virgindade na traseira do carro de um cara da escola. Ele tinha acabado de terminar o namoro e era tão lindo, quem poderia resisitir? O maior problema é que ele logo volta com a namorada, e continua fazendo visitas noturnas a Holly, que pouco tempo depois, vira amiga da namorada dele. E tem também o Nils, o melhor amigo desde sempre, que mudou muito depois que começou a namorar as meninas sem cérebro do colégio, agora ele só pensa naquilo.

Falando assim, pode parecer mais um livro bobinho para matar o tempo. Não sei como explicar, mas Lauren Strasnick trata de maneira simples vários assuntos complicados. É fácil se identificar com a Holly. Entender os medos e erros dela. A história se passa na escola, só que poderia ser na faculdade ou no serviço. São dramas universais que não respeitam faixa etária.

Quem já perdeu alguém que ama muito, sabe o quanto é impossível seguir em frente e assimilar as coisas mais simples durante um tempo. Da mesma forma que crescer, essa fase da vida que a gente tem que deixar a zona de conforto, sempre assusta muito. Assim como a possibilidade de perder o melhor amigo. E atire a primeira pedra quem nunca fez besteira por ter problema de autoestima  e querer, pelo menos uma vez, ser desejada com urgência por alguém. Mesmo sabendo que o cara não passa de um idiota.

Um comentário:

  1. Eu queria muito encontrar por aqui livros da ID Editora, mas ainda não consegui ver nenhum, acredita? Eu acho a capa do livro um luxo. Confesso que antes da sua resenha eu não estava com nenhuma vontade de ler esse livro. Mas agora, ele se tornou um sonho de consumo.

    ResponderExcluir

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres