Título nacional: A Culpa é das Estrelas
Autor: John Green
Ano de lançamento: 2012
Número de páginas: 288
Editora: Intrínseca
Título original: The fault in our stars

Hazel Grace tem dezesseis anos e é portadora de um câncer terminal desde os treze. Ela faz faculdade e tenta levar a vida o mais comum possível. Seus pais não acreditam que ela seja capaz de lidar com sua doença e decidem que ela deve frequentar um grupo de apoio. De início, Hazel foi contra a ideia, mas a medida que vai se adaptando, começa a conviver e a entender outras pessoas que, também, enfrentam os mesmos obstáculos que ela. Dentre as muitas pessoas que Hazel conhece, Augustus Waters - um garoto charmoso, dezessete anos, cheio de filosofias e que usa uma perna falsa - chega para mudar completamente sua vida. A partir deste momento, dois destinos são ligados por uma doença que não promete planos para o futuro. Cabe a Hazel e a Augustus descobrirem o que é essencial para o agora.

Os medos, desejos, vontades e sentimentos começam a ser compartilhados pelos dois. John Green constrói um cenário simplesmente magnífico. A forma com que Hazel conta a história é de arrepiar e, com certeza, vai fazer você refletir o que é prioridade na sua vida. Se o destino é justo ou injusto. E, principalmente, que nunca estaremos preparados para o ponto final.

“- Eu não estou namorando – falei. – Eu não quero namorar ninguém. É uma péssima ideia e uma grande perda de tempo…
– Querida – minha mãe disse. – Qual é o seu problema?
– Eu sou tipo. Tipo. Sou tipo uma granada, mãe. Eu sou uma granada e, em algum momento, vou explodir, e gostaria de diminuir a quantidade de vítimas, tá?”


O tema central da história é, sem dúvida, a luta contra a doença, mas John Green teve a brilhante capacidade de incluir nesse mundo tão difícil a esperança que o amor, no meio do desespero, entre dois adolescentes pode gerar. Nunca li um livro que me tocasse tanto desde a primeira até a última página. Li com medo que o livro terminasse, pois não haveria uma continuação. Li com medo do desfecho, afinal estamos falando de pessoas com câncer. John Green foi sensível e, ao mesmo tempo, realista na conclusão desta incrível lição de vida.

“Estou apaixonado por você, e sei que o amor é apenas um grito no vácuo, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim, e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó, e sei que o sol vai engolir a única Terra que podemos chamar de nossa, e eu estou apaixonado por você.”

A Culpa é das Estrelas foi meu livro preferido de 2012 e posso me atrever a dizer que é o livro mais fantástico que já li. Vale a pena se atrever a entrar neste mundo. Com certeza, no final da leitura você vai se sentir outra pessoa. Uma pessoa que tem a capacidade de compreender os medos e desafios dos pacientes portadores desta doença. Durante a leitura, haverá momentos de sorrir com a forma de pensar de Hazel e Augustus, mas separe uma caixa de lenços. Você vai precisar!

2 comentários:

  1. Decidir ler esta história tão apaixonante e sensível e, sim, caixas de lenços são necessárias! Por isso, mesmo que seja doloroso devorar a realidade que o enredo carrega, mesmo sentindo uma pontada no coração, valeu muito descobrir sobre o mundo de Hazel e Gus. Recomendo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Fernanda! Um dos melhores livros que já li - melhor história, melhores personagens, melhor tudo!

      Excluir

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres