O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus é um filme de Heath Ledger e seus amigos. O ator morreu em 22 de janeiro de 2008, enquanto o filme ainda era rodado, e era responsável por um dos papéis de destaque da produção.

Para a sorte do diretor Terry Gilliam, os atores Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrel se ofereceram para terminar o papel do amigo e eterno Coringa. Eles ainda doaram o cachê para Matilda, a filhotinha que é a cara do pai, que ficou de fora do testamento desatualizado do australiano.

Quando Dr. Parnassus (Christopher Plummer) fez a primeira aposta com o diabo Sr. Nick (Tom Waits) ganhou a imortalidade e a maldição de ver o mundo mudar até não precisar mais contos oferecidos pelo seu teatro itinerante. Durante as apresentações ele levava o público para um mundo extraordinário onde a imaginação e os sonhos ganhavam forma.

Séculos mais tarde, ele faz uma segunda aposta, trocou a imortalidade pela juventude e dessa forma viveu o verdadeiro amor. Só que para isso, ele prometeu ao Diabo que entregaria a filha quando ela completasse 16 anos. O que o Dr. Parnassus não sabia é que a esposa ficaria grávida. Quando a filha Valentina (Lily Cole) está prestes a completar 16 primaveras e chega a hora de pagar a antiga dívida.

Para a sorte do Doutor, o Sr. Nick resolve dar mais uma chance a ele e renegociar o prêmio: ganha a alma de Valentina aquele que seduzir cinco almas primeiro. Para isso, eles contam com a ajuda do mágico Anton (Andrew Garfield), o anão Percy (Verne Troyer) e Tony (Ledger, Depp, Law, Farrel), um cara cheio de lábia que foi encontrado pendurado pelo pescoço debaixo da ponte de Londres e, supostamente, não se lembra do passado.

O filme tem cenários psicodélicos, diálogos ácidos e personagens sarcásticos. Explora de forma fabulosa o capitalismo e a falta de tempo para sonhar dos tempos modernos. O elenco é impecável e a mudança de atores não atrapalha em nada, na verdade dá um certo charme à história. A narrativa flui de maneira surpreendente, fazendo uma crítica muito sutil a ganância humama. A trama foge totalmente do padrão de filmes mais do mesmo atual.

É difícil de explicar e/ou analisar esse longa, pois é complexo, louco e fantasioso. Também sou obrigada a admitir que não sei até onde minha opinião é imparcial, porque sou e sempre serei fã de Heath Ledger e por essa ser a ultima obra do ator, mexe comigo de maneira inexplicável. De qualquer forma, considero o filme muito bom, de um jeito inusitado, mas ainda assim muito bom.


Um comentário:

  1. Eu quero ver esse filme desde seu lançamento e até hoje não vi.

    Eu achei uma ação tão linda o que fizeram por Matilda.

    ResponderExcluir

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres