Toda criança sonha em ser um super-herói. Ela veste uma fantasia com capa e até acredita que pode voar ao sair correndo pelo quintal. Só que chega uma idade em que a fantasia já não serve mais. Em todos os sentidos. A identidade secreta se torna a sua única identidade.

Só que para Dave, o protagonista de Kick-Ass, cujo único poder é ser invísivel para as meninas essa "fantasia" é a saída dele para ser mais que apenas um qualquer na multidão. Ele compra uma roupa de mergulho verde e vira um super-herói munido de toda a vergonha alheia todas as boas intenções para combater o crime das ruas. O problema é que lutar contra o crime dói, literalmente. Depois de levar uma surra, ele realmente ganha um superpoder, ele perde todas as suas terminações nervosas, por isso não sente mais dor.

Paralelamente, duas histórias de desenvolvem. Uma é de um chefão do crime que tem uma carga de dorgas drogas supostamente roubada por Kick-Ass. E a outra é a de Hit Girl e Big Daddy. Dois vingadores mascarados, que aproveitam da fama de Kick-Ass para realizarem a sua própria vingança. As melhores sequências pra mim vêm desses dois personagens. Simplesmente é uma garota de uns 9 anos com o seu pai psico usando qualquer tipo de arma letal como estivesse jogando Wii. Adorei essa Hit Girl!

Ao decorrer do filme você vai percebendo como as três histórias vão se interceptando para chegar até um ótimo desfecho. Como é baseada em uma HQ, o filme tem muuuito sangue, bem Gore. Pra mim foi um filme bem Tarantinesco, com direito a pernas cortadas, sangue jorrando e muitas mortes coletivas.

No final, mesmo se você fique em choque com tanto sangue e violência gratuita, você se pega torcendo pelos personagens principais e querendo mais desses "super-humanos".

0 comentários:

Postar um comentário

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres