Título nacional: O Jogo do Anjo
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Ano de lançamento: 2008
Número de páginas: 614
Editora: Ponto de Leitura
Título original: El Juego del Anjo

"Um escritor nunca esquece a primeira vez em que aceita algumas moedas ou um elogio em troca de uma história. Nunca esquece a primeira vez em que sente o doce veneno da vaidade no sangue e começa a acreditar que, se conseguir disfarçar sua falta de talento, o sonho da literatura será capaz de garantir um teto sobre sua cabeça, um prato quente no final do dia e aquilo que mais deseja: seu nome impresso num miserável pedaço de papel que certamente vai viver mais do que ele. Um escritor está condenado a recordar esse momento porque, a partir daí, ele está perdido e sua alma já tem um preço."

David Martín é um jovem escritor que vive em Barcelona na década de 20. Aos 28 anos, ele não tem nem amor nem saúde. Acostumado com a anonimato de escrever sobre um pseudônimo, David é surpreendido por um fã e possível patrão, Andreas Corelli, um editor de livros estrangeiro. Corelli é sedutor e misterioso, e promete a David muito dinheiro e saúde, contudo, o preço vai muito além de escrever uma fábula que seja a próxima bíblia.

A trama é complicada demais para ser explicada aqui, em poucas linhas, pois é cheia de reviravoltas, traições e revelações. A jornada de David Martín acontece, cronologicamente, antes da saga de Daniel Sempere e  Julián Carax, de A Sombra do Vento, no entanto alguns personagens e lugares reaparecem em O Jogo Anjo.

A obra é meio mirabolante, a solução do mistério fica a cargo da imaginação do leitor, mas cada frase vale a pena ser lida. Zafón explora a poesia, a tristeza da vida e envolve o leitor de maneira inquestionável. No fim das contas, o que realmente aconteceu não importa, o importante é devorar essa história sobre amor, amizade e livros do começo ao fim. 

Acima de qualquer coisa, eu amei a oportunidade de conhecer Isabella.

Um comentário:

  1. Não posso nem começar a comentar o quanto eu adoro o Zafón. Ganhei O Jogo do Anjo num amigo x de Natal, em 2009, e esse livro, eu posso dizer, foi um dos que mais me marcou. Zafón tem exatamente isso q vc falou. Ele realmente "explora a poesia, a tristeza da vida e envolve o leitor de maneira inquestionável". Acho que nunca li algo tão intenso como as coisas que ele escreve. Fato que O Jogo do Anjo é bem mais dramático e intenso do que A Sombra do Vento (pelo menos, quando eu li, achei isso. Acho que lerei os dois de novo para tirar a duvida). Sempre fico procurando livros dele para comprar nas livrarias, procuro titulos dele na internet, mas o único que eu sabia que talvez chegasse aqui era o "Marina", que eventualmente, encontrei por acaso há uma semana atrás no balcão privilegiado da Saraiva, e comprei. Ainda não li porque tenho muitos livros comprados e que estão na fila para serem lidos, mas assim que terminar de ler o que estou atualmente lendo, lerei Marina. Em outras palavra: ZAFÓN É O CARA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres