Kaelyn tem dezesseis anos e acabou de ver seu melhor amigo, Leo, partir. Após um período morando no continente, ela voltou para a ilha onde nasceu; enquanto isso, o menino faz o caminho inverso para estudar fora. Os sentimentos compartilhados pelos dois não é claro nem pra ela e muito menos pra ele, e isso chegou a um ponto crucial: ela o deixou ir embora sem nem se despedir e não imagina que possa sem ficar vê-lo para sempre e isso está muito perto de acontecer.

A ilha em que Kaelyn vive foi deixada de "quarentena", ninguém entre e ninguém sai. Um vírus letal e não identificado atingiu a população e o número de mortos só aumenta a cada dia. Jovens, adultos, velhos e crianças estão todos entre as vítimas.

Os sintomas da doença são divididos em estágios e um deles é a inibição social, deixando os infectados agindo como doidos sendo assim, não hesitam em contaminar outras pessoas. Andam pelas ruas como se nada estivesse acontecendo e não tomam providências para ir ao hospital. Não que no hospital eles têm a cura ou uma reposta para isso, mas pelo menos os médicos dão alguns remédios que ajudam a diminuir o sofrimento causado pela doença.

As medidas impostas pelo governo estão dificultando, cada vez mais, as pesquisas em busca da cura e a chegada de suprimentos, alimentos e remédios. Os sobreviventes vivem dia após dia sem saber o que irá acontecer e precisam lutar por água, comida e energia. Kaelyn não fica de braços cruzados vendo tudo acontecer. A menina parte em busca de ajuda e acredita que haverá uma salvação para esse mal, que levou amigos e familiares.

O fim de todos nós é uma história que conta a bravura, força de vontade e esperança de uma menina que é obrigada a escolher entre a sobrevivência e humanidade. É um livro bem rápido de se ler e como a maioria nos dias de hoje, é o primeiro de uma trilogia. A história é contada pela protagonista em um formato de diário escrito diretamente para Leo e nele ela conta como está a vida, os amigos e o desespero de enfrentar o vírus e lutar todos os dias pela vida. Gostei muito como a autora desenrolou os fatos, mas acredito que alguns poderiam ter sido melhores explorados. Dentre as opções que temos nas livrarias atualmente, é um livro super diferente. Se você é apto a explorar novos horizontes e ler coisas diferentes, O fim de todos nós é uma ótima opção. Quatro estrelas pra ele!

0 comentários:

Postar um comentário

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres