Título nacional: Bela Maldade
Autora: Rebecca James
Ano de lançamento: 2011
Número de páginas: 302
Editora: Intrínseca
Título original: Beautiful Malice

Um soco no estômago. Essa é uma das definições que posso dar para a leitura de Bela Maldade. Rebecca James certamente não poupa descrições e diálogos ácidos em sua narrativa!

O livro conta a história de Katherine Petterson, que depois de algo terrível que aconteceu com sua família, muda de nome e de cidade (de Melbourne para Sydney), passa a morar com a tia e tem como objetivo terminar o colegial sem ser notada. Só que seu objetivo falha quando Alice, popular e bonita, decide que Katherine entrará para seu círculo de amizades.
 
No início, Alice é tudo que gostaríamos de ter como amiga: divertida, companheira, incentivadora. Mas conforme o tempo vai passando, ela se revela temperamental (para dizer o mínimo), e vai de tranqüila à pura maldade em menos de dois segundos. Como Katherine lidará com isso? Como eu e você lidaríamos com isso?
 
Não dá pra falar muito mais da história do livro sem entregar momentos chave. Mas deixe-me dizer que não é um livro que deixará curiosidades no ar, a autora responde a tudo. E também é extremamente descritiva, como eu disse anteriormente, então talvez não seja um livro recomendado a galerinha com menos de 15 anos – apesar que acredito que não seja nada que já não tenham visto nos jornais, mas é melhor prevenir. Talvez em alguns casos seja uma leitura forte demais para a idade, mas cada um sabe de si!
 
Gostei bastante no livro dos três tempos narrativos: a história é contada pela Katherine relembrando o passado, ela no presente e a versão mais velha dela contando o futuro. Essa foi uma ideia muito bem executada pela autora! O que eu achei um ponto fraco no livro foi o romance – o casal vai de “nos conhecemos hoje” a “nos amamos e vamos morar e viver juntos para sempre” em menos de 48 horas, o que eu acho que é um recorde de velocidade nos romances de livros YA. Não que seja ruim, o casal é bem simpático, mas eles evoluem muito (e bota muito nisso!) rápido.
 
Quanto ao final, eu achei surpreendente, mas talvez outros leitores com habilidades de dedução mais apuradas percebam bem antes.  É um livro muito bom, mas que também é um pouco pesado por tratar de temas delicados. Se você não tem receio de um ótimo soco no estômago, separe o remédio  e leia Bela Maldade!

Um comentário:

  1. também adorei as narrações diferentes durante o livro, e concordo plenamente com o casal a jato que ela formou. Mesmo sendo super fofos juntos, foi muito de repente.

    ResponderExcluir

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres