Elementary conta como seria um Sherlock Holmes vivendo em Nova Iorque nos dias de hoje. Sim, é praticamente a mesma premissa de Sherlock da BBC, com a diferença de se passar nos EUA. Devo dizer que eu realmente só comecei a assistir à série americana para poder falar mal e compará-la a inglesa.

Eu já li alguns livros do autor, vi filmes e devo dizer que o Holmes de Elementary não me lembra o verdadeiro personagem. Acho que até o House parece mais com o Sherlock. Já que na versão americana ele chega a ser sentimentalista e nem é tão genial assim... O que mais o remete ao personagem é o sotaque que destoa de todos os outros americanos.

Outro erro da série é o fato de não ter um "plot" maior que una todos os episódios. Ter um, até tem. Mas mesmo com o final da temporada ele continuou fraco. Mas persisto a assistir a série porque agora passei a encará-la como uma série de investigação comum e não uma sobre o famoso detetive.

Mas, bem, vamos a segunda temporada. Ela começa com Sherlock voltando a terra natal de que foi expulso, Londres. Ele é chamado para ajudar o inspetor Lestrade, que parece ter caído em desgraça por não conseguir resolver casos sem a ajuda do detetive (¬¬).

Mais uma vez a série parece que vai apostar no esquema de um caso por episódio, aparentemente sem nada maior que costure a história da temporada. Não acho que isso chegue a ser um erro. Mas Elementary peca exatamente por ser apenas mais uma série de investigação. Não dá nem para ser comparada com a genialidade de Sherlock da BBC em que os casos dos livros são realmente adaptados e as habilidades do detetive muito mais aproveitadas. Por isso, Elementary segue como mais uma série para passar o tempo e nada mais.

0 comentários:

Postar um comentário

Sigam-nos os bons!

Giselle lê

Robertha lê

Nathaly lê

Tecnologia do Blogger.

Ache no blog

Curte aí!

140 caracteres